• Agência ZeroUm

A Cruz de Malta é meu pendão!

Atualizado: Abr 9

Série Paixão do Torcedor Carioca.

Torcida do Vasco. Foto: Alexandre Brum - Agência Enquadrar.
Torcida do Vasco. Foto: Alexandre Brum - Agência Enquadrar.

Ser vascaíno, antes de tudo, é entender o que é resistência. O Vasco nasceu sem permissão para ser. Impôs-se. Um clube preterido por contar com atletas negros e operários, um clube que lutou contra o preconceito e o elitismo carioca então vigente. Um clube predestinado a se orgulhar da sua trajetória, marcando posição para além do tempo.


O Vasco de inúmeras conquistas nasceu comum e construiu suas fortalezas também dentro do campo. Assim, outras tantas glórias vieram. A sua história particular ajuda a demarcar terreno e a criar tradição. Constrói as narrativas e apaixona. E foi assim que quase tudo começou. Umas das mais antigas memórias que tenho é de 1989. Eu com apenas 7 anos de idade, embalado nos braços do meu pai, escutando ao fundo em um radinho à pilha o hino do Vasco tocando, e - ao mesmo tempo - meu pai gritar:


'Somos campeões! O Vasco ganhou de todo mundo do Brasil. Campeão do Brasil!'.

A paixão desde cedo até então havia sido instintiva. Mas em 1994 um certo DNA Vascaíno foi verdadeiramente ativado. Adolescente, com 12 anos de idade, passei assistir ao Globo Esporte depois da escola e, no canal 9, o programa Mesa Redonda com o comentarista Áureo Ameno, meu preferido. Sempre defendia o Vasco de qualquer tipo de crítica. Em pensamento, eu sempre dizia:


Isso, Áureo. Mostra para eles o que é o Vasco!

E o Vasco foi se mostrando não só para mim, como para o mundo inteiro. O futebol passou a fazer parte da minha rotina. Revistas infantis deram lugar ao Jornal dos Sports, ao Lance! e suas coberturas mostravam um Vasco da Gama capaz de ganhar Campeonato Brasileiro, Libertadores e Mercosul, além de disputador duas finais do Mundial de Clubes. Um time que possuía em suas linhas nada menos que Felipe, Edmundo, Romário e consolidou em mim um processo que chamo de 'apaixonamento', afinal ninguém escolhe ser Vasco. É ele que nos escolhe.




Diego Pina

Administrador de empresas, integrante do Canal 'A Voz do Vascaíno no YouTube' e do Grupo Resgata Vasco.