• Agência ZeroUm

A Mulher e o Mercado de Trabalho

Os desafios históricos na inserção da mulher no mercado de trabalho.

Foto de Tima Miroshnichenko no Pexels.
Foto de Tima Miroshnichenko no Pexels.

Para entender o desafio que é a inserção da mulher no mercado de trabalho, precisamos entender o cenário desafiador existente à época. Por questões culturais, sociais e afins, o papel da mulher na sociedade era, costumeiramente, associado ao perfil de “rainhas do lar”, ao contrário do homem considerado como provedor do sustento. Dentro deste recorte, a mulher que trabalhava era tida como exceção. Mesmo assim, a profissão designada ficava registrada como “do lar”, desconsiderando todo o empenho e contribuição que a mesma engendrou ao longo do tempo.


O ingresso da mulher no mercado de trabalho se deu, por sua vez, em virtude da necessidade de mão de obra em decorrência das Grandes Guerras Mundiais, visto que os homens foram convocados ao combate. Deste modo, a continuidade da cadeia produtiva para fabricação de material utilizado na guerra se tornou prioridade. Não sendo, neste sentido, uma aceitação direta das reivindicações, mas fruto de uma necessidade estratégica conforme necessidades do mercado.


Porém, não se pode deixar de considerar a contribuição significativa da Revolução Russa ocorrida em 1917. Seu princípio de igualdade de acesso ao mercado de trabalho para homens e mulheres, aliado às ações do Movimento Feminista cuja bandeira defendia a transformação da sociedade por meio da conscientização. Um importante passo para romper com modelos de dominação do masculino sobre o feminino em todos os setores da sociedade com reflexos em todas as esferas da vida.


O avanço da mulher no mercado de trabalho, em meados do século XX, ocorre em um cenário paralelo em que ocorria uma transformação social emblemática no que diz respeito à família. Valores e papéis até então estavam atribuídos culturalmente às mulheres passavam a ser divididos.


As lutas e as bandeiras que a liderança feminina trazem consigo demonstram condutas positivas, inovadoras que buscam soluções capazes de atender reinvindicações coletivas, com posicionamento estratégico e orientado. A emancipação do feminino perpassa, necessariamente, pela emancipação econômica da mulher.



Bruno Velasco Agência ZeroUm