• fabiobiao21

Tem que ter tesão

Atualizado: Abr 4


Creio que todos – se não, quase todos – lá leram ou ouviram a frase “sem tesão não há solução”. Além da conotação sexual, a palavra pode ser entendida por força, intensidade, ímpeto. E foi com essa tríade que o atual time do America surpreendeu a muitos, na quarta rodada da Taça Governador, quando bateu ao Botafogo/Sacramento por 4 a 2. A cada lance, a cada dividida, a cada gol, a vibração dos caras foi contagiante. Eu estava do lado de fora do campo, junto com outras pessoas, e o comentário geral foi justamente sobre a vontade. Os que estavam no banco de reservas vibravam com cada detalhe.

Vou fazer uma analogia e sei que posso ser julgado por isso, mas a intenção não é discriminar, diminuir ou desmerecer a ninguém. Jogadores, técnicos e integrantes de comissões técnicas, com o tempo, perdem um pouco disso. Não sei se vão cansando ou se já fazem uma leitura mais experiente do jogo. A vibração de quem já ganhou muito na modalidade só aparece quando é um jogo muito pegado ou uma final. Este Botafogo x America foi um jogaço, em muito, justamente, pela vibração americana. E isso passa até para quem está de fora.


É um projeto novo, de uma galera que, até outro dia, jogava somente em liga. E, goste-se ou não da ideia, jogar com uma “camisa de time”, pra quem é boleiro, tem um sabor especial. De alguma forma, muitos realizam um sonho ali. Afinal, quem não gostaria de, um dia, defender a camisa do Flamengo ou do Vasco, por exemplo?


Sabemos que muitos lutam pela profissionalização do esporte e eu acredito que, em algum momento, ela virá. Mas, pela sua natureza amadora, de amigos, de bairro, nunca deixará de ter espaço para a vibração com o coração. E são momentos assim que tornam o esporte – seja ele qual for – atrativo aos olhos do público.


@fabiobiao21