• Agência ZeroUm

A volta do Campeonato Paulista de Futebol

Atualizado: 30 de Jul de 2020

Apesar do retorno programado, estádio do Pacaembu está fora do cronograma.

Pacaembu. Foto: Bruno Velasco
Futebol Paulista - Pacaembu. Foto: Bruno Velasco.

O momento segue longe de ser o ideal. A curva de infecção e mortes está ainda maior após a reabertura do comércio em São Paulo. O essencial ganha companhia de outras atividades, dentre elas o futebol.


Foram muitos dias longe do gramado. Enfim, com adequações que viabilizaram o retorno, hoje, o futebol paulista recomeça em grande estilo: Palmeiras e Corinthians se enfrentam às 21h30.


A competição que havia sido paralisada em 16 de março, faltando apenas 2 rodadas para o fim da fase de classificação retorna com sérias restrições. Este retorno só foi possível após um série de medidas e de entendimento entre os níveis de governo municipal e estadual com a Federação Paulista de Futebol. Além da testagem frequente, do confinamento das 16 equipes participantes do torneio, observe pontos importantes do protocolo:



Estádios


O tradicional estádio do Pacaembu, em virtude de ter abrigado o Hospital de Campanha, não participará do retorno da competição. O consórcio que administra o estádio ressalta que o tempo de recuperação do gramado é de três a quatro meses, não havendo tempo hábil para 2020. Com isso, há um planejamento de antecipar as reformas programadas para o estádio. Assim, o Pacaembu retornaria somente em 2023.


Todos os estádios que participarão do retorno da competição terão seu setores segmentados em zonas de convivência: azul, vermelha e amarela.


  • Zona Azul - compreende todos os locais por onde passarão aqueles que estiverem diretamente envolvidos com a partida como jogadores, comissões técnicas, árbitros e delegados, equipe médica, gandulas: corredores, vestiários, áreas de acesso, túneis, bancos de reservas e o campo de jogo. Limitado a um número máximo de 101 pessoas.


  • Zona Vermelha - demais setores internos do estádio como arquibancadas, área de imprensa, cabines, salas administrativas e operacionais, entre outros espaços em que estão equipes de transmissão, diretorias das equipes participantes e bombeiros. Limitado ao número máximo de 65 pessoas.


  • Zona Amarela - compreende ao entorno do estádio e todo aparato envolvido com a operação do jogo como pontos credenciamento, estacionamentos entre outros em que estarão os seguranças, policiamento e profissionais envolvidos com a operação do jogo. Limitado ao número máximo de 27 pessoas.



Higienização


Existem protocolos diferentes para cada zona de convivência. Para a Zona Azul, o clube mandante está obrigado a providenciar a higienização completa da área até 24 horas antes da partida. No que diz respeito aos vestiários, estes ficam isolados após a limpeza até a chegada chegada dos roupeiros que estão autorizados a chegar até 3h antes do horário de início do jogo.


Operação das partidas


A operação para a realização da partida está agora dividida em quatro fases. Os clubes envolvidos na competição apresentaram uma lista com os nomes de todos os funcionários que estão habilitados a participar dos jogos. Cartazes informativos e dispensadores de álcool em gel serão colocados em diversos pontos dos estádios. O uso de máscara é obrigatório em todas as zonas.



Regras de distanciamento nas fases do jogo

No Pré-jogo: três portões serão liberados, sendo um só para as delegações dos clubes, outro para os funcionários envolvidos na transmissão e outras operações necessárias, e um terceiro para os demais profissionais. O uso de máscara é obrigatório e todos terão suas temperaturas medidas na entrada.

O jogo: fase iniciada com a chegada dos times e equipe de arbitragem ao estádio. É obrigatório o distanciamento nos bancos de reservas e os jogadores terão de trocar o uniforme no intervalo. As bolas utilizadas na partida serão constantemente desinfectadas pelos gandulas. Com a exceção dos que estiverem atuando incluindo os técnicos, todos os demais deverão utilizar máscaras.


Pós-jogo: A desocupação do espaço será realizada de modo ordenado, ficando o time visitante autorizado a deixar o estádio primeiro. Em um segundo momento, o time mandante seguido pelo trio de arbitragem, devendo os clubes regressar de imediato aos locais de concentração.



Entrevistas


As entrevistas poderão ser realizadas mediante utilização de microfone à distância. Após as partidas, as entrevistas com treinadores e atletas, serão realizadas pelas próprias equipes de TV dos respectivos clubes com transmissão ao vivo ou gravação e disponibilização para à imprensa. Cada clube fica responsável pelo credenciamento para participação da coletiva virtual. Nas tribunas, os clubes mandantes poderão contar com até 4 pessoas de estafe para produção de conteúdo/atendimento à detentora dos direitos de transmissão.



Emergência em caso de contaminação de membros das equipes


O protocolo orienta que caso algum jogador, membro da comissão técnica ou funcionário testar positivo para Covid-19, deverá ocorrer o isolamento do indivíduo infectado de imediato, bem como a análise prévia de quem teve contato direto com o mesmo.



Jogos que encerram a fase de classificação do campeonato


Quarta, 22 de julho


16h30

Ituano x Ferroviária – Canindé (Sportv/PPV)


19h15

Ponte Preta x Novorizontino – Arena Barueri (Sportv/PPV)

Santos x Santo André – Vila Belmiro (PPV)


21h30

Corinthians x Palmeiras – Arena Corinthians (Globo/Sportv/PPV)


Quinta, 23 de julho


15h

Água Santa x Mirassol – Arena Inamar (Sportv/PPV)


17h30

Inter de Limeira x Oeste – Arena Corinthians (Sportv/PPV)


20h

Botafogo x Guarani – 1º de Maio (Sportv/PPV)

São Paulo x Red Bull Bragantino – Morumbi (PPV)


Domingo, 26 de julho


16h

Red Bull Bragantino x Botafogo – Prefeito José Liberatti

Ferroviária x Inter de Limeira – Morumbi

Guarani x São Paulo – Vila Belmiro

Mirassol x Ponte Preta – 1º de Maio

Novorizontino x Santos – Arena Corinthians

Oeste x Corinthians – Arena Barueri

Palmeiras x Água Santa – Allianz Parque

Santo André x Ituano - Canindé



O futebol em São Paulo volta dentro de um ambiente mais consensual que o ocorrido no Rio de Janeiro. O equilíbrio e as forças existentes há quatro meses destoaram e algumas estão irreconhecíveis como no caso do Santo André que perdeu seu time base e estádio. A solução encontrada ainda está longe de agradar a todos. Ao redor do mundo, as diferentes decisões a respeito das competições também trouxeram críticas dos que se sentiram prejudicados, dos que contestaram a falta de equilíbrio necessário para o jogo. A Bola de Ouro 2020 foi cancelada. Talvez, todas as lembranças das competições deste ano também não mereçam memória.



Bruno Velasco

Agência ZeroUm