• Agência ZeroUm

O palco além do futebol

Série Maracanã 70 vai relembrar a história do estádio Jornalista Mário Filho e relembrar grandes momentos, passando por profissionais de comunicação, árbitros e atletas.

Construção - Fotorreprodução  - Museu do Maracanã
Construção - Fotorreprodução - Museu do Maracanã

Inaugurado em 16 de junho de 1950, o Estádio Municipal do Rio de Janeiro ficaria mais conhecido como Maracanã. A primeira partida foi realizada há exatos 70 anos, logo no dia seguinte de sua inauguração. O selecionado Paulista vencia o Carioca com gol de Didi. Mas por trás do mito o qual passaria a significar o estádio há uma concepção ideológica relacionada a uma idealização de país.


No recorte histórico, os anos que antecederam a ideia de um estádio naquela região do Rio de Janeiro/RJ - cabe ressaltar que quase foi construído em Jacarepaguá - o Brasil vivia situação política instável e vislumbrava recuperar a autoestima e o patriotismo da população. A Europa estava devastada em virtude da Segunda Grande Guerra que resultou nos cancelamentos das Copas do Mundo que deveriam ter sido realizadas em 1942 e 1946.


Para por em prática o projeto, era preciso a adoção de um plano que contemplasse a possibilidade de uma nova realidade. Com isso, a propaganda institucional do governo foi um dos métodos utilizados. Um processo de comunicação massivo e orientado que permitiu a construção de mitos, ideais promovidas por aqueles que governavam o país.


Neste recorte de tempo em que a tv ainda era embrionária, o rádio teve papel fundamental na propagação da mensagem. Legitimado como meio de transmissão da cultura no país, o rádio ganha. Com isso, o rádio criou adeptos que acreditavam na mensagem que recebia como informação legitimada. Um processo de alienação que não encontrava resistência em valores pessoais, nem coletivos, pois boa parte da população apresentava baixo grau de instrução.

É importante frisar que a falta de imagem do rádio contribuiu pois proporciona uma adaptação da mensagem aos valores de quem recebe a mesma. Ou seja, um ideal imaginário e subjetivo foi construído a partir de valores do próprio indivíduo, sendo estes reproduzidos na coletividade. Neste sentido, os ideais eram absorvidos e consolidados no cotidiano a partir de um processo de afirmações e reafirmações que beiravam à exaustão.


Neste contexto histórico-social, o Governo Dutra, sinalizando uma necessidade de demonstração de poder, entende que era preciso mostrar que o país estava mudando e evoluindo. Coube ao esporte a bandeira que divulgaria esta “boa nova” para as massas. Assim, entre 1945 e 1950, o Brasil cresceu numa taxa média de 8% ao ano, mesmo com inflação e com altos custos para sua história, mas impulsionado por uma 'onda de otimismo' planejada que cresceu em virtude da realização da Copa do Mundo. É neste recorte que é concebido e construído o Maracanã, símbolo idealizado de um país grande, capaz de grandes realizações.



Bruno Velasco

Jornalista, Fotógrafo e Documentarista para Agência ZeroUm.